CELEBRAÇÃO DE EXÉQUIAS

A partir de 17 de maio, a paróquia de S. João da Madeira abrirá as portas da sua matriz para a celebração da missa de corpo presente, portanto, em contexto de exéquias. Nestes últimos 14 meses, por orientação superior, quer da proteção civil e da DGS quer da própria conferência episcopal portuguesa e diocese do Porto (que cada paróquia precisa de ajustar às suas circunstâncias), fizemos a opção de celebrar as exéquias nas casas mortuárias, certamente com custos (mesmo emocionais), mas também com um grande sentido de responsabilidade para evitar o mais possível qualquer contágio do Coronavírus.

Dadas as atuais circunstâncias, parece-nos ser desejável voltar a usar a matriz. Em contexto exequial, será exclusivamente para a celebração da eucaristia.

No entanto, pedimos que continuem a ser observadas as seguintes regras:

- distanciamento – mantém-se as mesmas orientações – portanto, as cadeiras na matriz não se devem mudar do seus lugares

- uso de máscara – em alinhamento com as recomendações/imposições da DGS

- etiqueta social – respeitando quantos estão a usar o mesmo espaço celebrativo

- higienização das mãos – tenha-se todo o cuidado em manter permanente higienização

- evitar ajuntamentos – nos momentos de entrada e saída, haja o cuidado de não promover aglomerado de pessoas

- durante a missa não deve haver deslocação dos fiéis

- evitem-se celebrações demoradas, pelo que nada se realizará que não seja do ritual

- cuide-se do ambiente litúrgico com respeito, silêncio ou devida participação nas orações.

Deixamos ainda a informação de, a partir de 17 de maio próximo, voltarmos ao toque dos sinos conforme era habitual antes da pandemia:

- no dia do óbito, antes do pôr do sol

- no dia das exéquias, uma hora antes do funeral, bem como ao princípio e fim da celebração.

Apelamos ao necessário bom senso e colaboração de todos os fiéis.

A avaliação permanente poderá levar a novas determinações, para bem de todos.

Agradecemos toda a compreensão.

  1. João da Madeira, 14 maio de 2021

Padre Álvaro Rocha, pároco